A Canção Francesa – Parte 2


 

No primeiro post que falei sobre o assunto(AQUI), falei das figuras seminais da canção francesa, que são quase que embaixadores para quem tem seus primeiros contatos com essa música.

Agora vou fazer uma seleção musical das personalidades secundárias.Quando digo secundárias, não se trata de algo pejorativo de minha parte, porque são nomes que fizeram(e fazem) trabalhos de grande qualidade artísticas, porém só quando existe um interesse maior de aprofundamento é que se acaba chegando nelas. Talvez não tenham a obra tão vasta quanto os do 1º post, mas possuem um trabalho digno e excelente.

Antes que me cobrem algumas ausências, tipo Leo Ferré, Nana Mouskouri, etc, prometo uma parte 3 para breve.

Não vou me estender sobre eles, prefiro que suas músicas falem por si só:
.
.

Serge Gainsbourg – “La Javanaise”

Em vida era um “maldito”, após sua morte Gainsbourg se transformou num mito na França e mesmo fora dela. Poderia colocar seu maior clássico, aquele orgasmo musical que fez em com Jane Birkin, “Je t’Aime Moi non Plus“, ou até mesmo “Elisa“, mas gosto mais de “La Javanaise


.
.

Jean Ferrat – “Ma France”

Artista engajado, possuidor de grande dignidade artística e esquivo da febre midíatica. Em 1973 resolveu abandonar as apresentações públicas e se recolheu para um vilarejo em Ardèches, aonde faleceu em 2009.


.
.

Yves Duteil – “Prendre un Enfant”

Gosto muito de Yves Duteil e dessa canção especificamente, ainda mais depois que me tornei pai ela me toca mais profundamente.


.
.

Michel Legrand – “Les Moulins de Mon Coeur”

Sou enorme admirador de Michel Legrand, com uma vastíssima obra, sendo que é mais conhecido como autor de trilhas sonoras inesquecíveis, como para os filmes “Verão de 42” e “Os Guardas-Chuvas do Amor“. “Les Moulins de Mon Coeur” é uma das minhas músicas favoritas.


.
.

Henri Salvador – “Jardin d’Hiver”

Foi muito bom ver Henri Salvador no final da vida voltando a fazer um enorme sucesso, pouco antes de sua morte, como o que fez nessa canção aqui postada.


.
.

Michel Sardou – “Comme d’Habitude”

Para os mais desatentos essa canção não é uma versão de “My Way” que Frank Sinatra imortalizou. É justamente o contrário, os americanos é que verteram para o inglês essa canção de Claude François, abaixo interpretada por Michel Sardou.


.
.

Adamo – “F Comme Femme”


.
.

Francis Lai – “Un Homme et une Femme”

Um clássico feito para o filme homônimo de Claude Lelouch, com uma Anouk Aimée no auge de sua beleza e o genial Jean-Louis Trintignant


.
.

Gilbert Becaud – “Et Maintenant”

Adoro a letra dessa música e do tom meio marcial da melodia. Só acho que por vezes Becaud fica um pouco over sem necessidade.


.
.

Patricia Kaas – “Il me Dit que Je Suis Belle”

Um rosto mais recente da música francesa, se bem que já não é tão mais tão recente assim.


.
.

Carla Bruni – “Quelqu’un m’a Dit”

Antes que impliquem comigo, gosto da Carla Bruni cantora sim. Mas não da primeira-dama. Fiquem tranquilos, não vou postar nada de Vanessa Paradis, ok? Prometo!


.
.

Pierre Bachelet – “Emmanuelle”

Na verdade ficou conhecido com uma música só, tá certo que era tema de um filme pornô, mas a música é linda de morrer.


.
.

Sacha Distel – “Le Soleil de Ma Vie”

Com Brigitte Bardot, não tem grande valor artístico, mas acho fofo! A mulher mais cobiçada dos anos 60 com o homem que foi considerado o mais bonito do mundo, quando estavam…digamos…se pegando e cantando em francês “You are the Sunshine“.


Palpites para este texto:

  1. António Figueiredo -

    Estive em França e gostaria de relembrar algumas canções e intepretes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Calendário de postagens

outubro 2017
D S T Q Q S S
« set    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031