César 2013: Vencedores e Previsões Confirmadas


 

 

Ontem ocorreu a 38ª cerimônia do César, o mais importante prêmio do cinema francês.  Nenhuma grande surpresa aconteceu e podemos dizer que, apesar de não trazermos a pessoa amada em 3 dias e nem conseguimos ainda antecipar os 6 números da mega-sena, cravamos todas as previsões feitas lá atrás com 100% de acerto, que vocês podem ver nesse link AQUI.

Vamos relembrá-las e comentá-las:

o grande favorito é “Amor”, com 10 indicações. Deverá levar Melhor Filme, Ator e Atriz…

Por vezes a imprensa francesa me parece meio míope. Cismaram que “Camille Redouble” seria o grande favorito. Absurdo completo! O fato de ter o maior número de indicações não é necessariamente favoritismo. Lógico que era “Amor” o grande favorito, que ganhou  os 5 prêmios considerados mais importantes: Melhor Filme, Diretor, Ator, Atriz e Roteiro Original. “Camille Redouble”, saiu de mãos abanando. Enfim, quanto maior o tamanho…Fazia mais de 30 anos que um filme não levava os 5 prêmios principais, a última vez que ocorreu foi “O Último Metrô”, clássico de  François Truffaut.

 

Les Adieux à La Reine”, uma grande e luxuosa produção dirigida por Benoit Jacquot sobre os últimos dias de Maria Antonieta, protagonizado por Diane Krueger. Teve lá suas indicações, inclusive a melhor filme, mas está relegado a um segundo plano. Deverá ganhar alguns prêmios técnicos, como Melhor Figurino, Melhor Direção de Arte, etc…

Não deu outra, “Les Adieux à la Reine” levou os principais prêmios técnicos:  Melhor Direção de Arte, Figurino e Fotografia. Estava mesmo no script. Só senti falta de ver Diane Krueger na plateia. Diane Krueger é sempre uma ausência sentida. ai ai

 

Jean-Louis Trintignant e Emmanuelle Riva são francos favoritos aos prêmios de interpretação, fico feliz, dois monumentos do cinema francês. Mas quem assistir a transmissão pela TV5 pode esquecer em ver Trintignant na plateia aguardando seu nome ser anunciado. Mudo meu nome se ele estiver presente…

Maravilhosa vitória de Trintignant e Riva. Riva, por sinal foi aplaudida de pé. Trintignant, tal como previsto no nosso script não compareceu a cerimônia. Mas nessa previsão podíamos ter quebrado a cara. Trintignant só não compareceu porque estava naquela noite atuando numa peça em Bruxelas. Mas seu filho o representou e no palco ligou para Trintignant:
– Está me ouvindo, pai?
– Sim, te escuto e estou te vendo pela TV.
Fez então um discurso de agradecimento via telefone se dizendo emocionado e se desculpando por sua ausência. Adoro Trintignant!!!

 

Patrick Bruel, faço a aposta ao contrário da que fiz com Trintignant. Mudo meu nome se ele não estiver na plateia, com seu eterno sorriso e sua cara de bom moço. Ele está indicado por “Qual o Nome do Bebê?”. Merece a indicação, mas não levará o prêmio…

Ufa! Não precisei mudar meu nome. Lá estava Patrick Bruel interpretando…Patrick Bruel. Sempre sorrindo, simpático e cheio de fair-play para sua previsível derrota para Trintignant. Eu estou gozando Bruel, mas eu simpatizo com ele.

 

Pelo menos no César, Leos Carax não vai ter argumento para repetir o seu ridículo discurso ao ser premiado recentemente nos Estados Unidos como Melhor Filme Estrangeiro. Aqui ele “não faz filme estrangeiro”. Mas não vai ganhar mesmo…

Deus existe!!!! Felizmente Leos Carax não subiu ao palco para receber nenhum prêmio. Mas mesmo se ganhasse, não subiria mesmo, até porque não compareceu. Como iria discursar dessa vez? Creio que na França ele não faz filme estrangeiro, né?

No mais, destaco também as vitórias como coadjuvantes de Guillaume De Tonquédec e Valérie Benquiqui pelo “Qual é o Nome do Bebê?”. O filme merecia mesmo algum prêmio de relevância. Assim como “Ferrugem e Osso” que levou prêmio como Melhor Roteiro Adaptado, Trilha Sonora e  Montagem.

Ah! Melhor filme estrangeiro: “Argo”. Putz!

.
.

LISTA DE PREMIAÇÃO:

 

Melhor filme : Amor de Michael Haneke

Melhor  diretor : Michael Haneke por Amor

Melhor  ator : Jean-Louis Trintignant por Amor

Melhor  atriz : Emmanuelle Riva por Amor

Melhor  atriz coadjuvante : Valerie Benguigui por Qual o Nome do Bebê?

Melhor ator coadjuvante : Guillaume de Tonquedec por Qual o Nome do Bebê?

Melhor  roteiro original : Amor de Michael Haneke

Melhor roteiro adaptado : Thomas Bidegain e Jacques Audiard por Ferrugem e Osso

Melhor  música original : Alexandre Desplat por Ferrugem e Osso

Melhor  figurino : Christian Gasc por Les Adieux à la reine

Melhor  montagem : Juliette Welfling por Ferrugem e Osso

Melhor  direção de arte : Katia Wyszkop por Les Adieux à la reine

Melhor  som : A. Deflandre, E. Tisserand, G. Boulay por My Way – O Mito Além da Música

Melhor  fotografia : Romain Winding por Les Adieux à la reine

Melhor revelação masculina : Matthias Schoenaerts por Ferrugem e Osso

Melhor revelação feminina : Izia Higelin por Mauvaise fil

Melhor  documentário : Les Invisibles de Sébastien Lifshitz

Melhor filme estrangeiro : Argo de Ben Affleck

Melhor  filme de animação : Ernest et Célestine

Melhor primeiro filme : Louise Wimmer de Cyril Mennegun

Melhor  curta-metragem : Le Cri du homard de Nicolas Guiot


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Calendário de postagens

junho 2017
D S T Q Q S S
« maio    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930