Congresso da Abraji 2014 – Diário de Bordo: 4ª Parte


 

bridi_abraji5 (1)

Por Adriana Mello.

Sou muito fã do trabalho de Sônia Bridi. Considero-a uma das repórteres mais competentes do país. Por esta razão fiquei bem animada quando soube que Sônia estaria presente no Congresso da Abraji, ao lado do jornalista Irlandês Ewen MacAskill. O irlandês fez parte da equipe liderada por Glenn Greenwald que trouxe à tona o affaire Edward Snowden, trbalho pelo qual acabaram por ganhar este ano o Prêmio Pulitzer .

Edward Snowden, um jovem analista de sistemas, revelou ao mundo que os Estados Unidos espionava tudo e todos na Internet. Snowden tinha em mãos documentos ultra secretos que provavam suas acusações. Escolheu Greenwald por acreditar que o jornalista do “The Guardian” tinha credibilidade e independência para publicar as denúncias contra o governo.

Glenn Greenwald, a documentarista Laura Poitras e Ewen MacAskill encontraram com Edward Snowden pela primeira vez em Hong Kong. O jovem entregou aos jornalistas mais de 1000 documentos sigilosos com as denúncias. “No começo, Snowden era ingênuo e muito tímido com a imprensa e parecia não pensar nas consequências dos seus atos. Mas seu princípio em ser honesto e transparente com a sociedade estava acima de qualquer coisa”,  contou MacAskill no painel “Snowden Files”.

As matérias eram divulgadas em doses homeopáticas. MacAskill revelou que conforme as matérias iam sendo divulgadas, a tensão aumentava entre os jornalistas. Os três passaram a ser investigados, numa tentativa de provar que os jornalistas estariam comentendo crime internacional ao manipular documentos oficiais. David Miranda, companheiro de Greenwald, chegou a ser detido pela polícia inglesa. Eles foram vigiados pela NSA e a comunicação entre eles e seus jornais passou a ser através de mensagens criptografadas. “Passamos seis meses organizando a papelada e decifrando a complexa linguagem técnica da NSA”.

MacAskill revelou aos presentes que seu maior aprendizado com todo esse caso foi se proteger digitalmente. “Todo jornalista tem obrigação de usar criptografia para proteger suas informações”.

Mais tarde, Sônia Bridi, junto com Greenwald, revelou que Brasil era espionado e que emails e o telefone do governo brasileiro eram constantemente espionados. Bridi e Greenwald revelariam posteriormente que a Petrobrás também era espionada. A notícia caiu como uma bomba no governo brasileiro e levou a Presidente Dilma a cancelar uma viagem aos Estados Unidos criando uma saia justa entre os governos. “O Snowden mostrou que a NSA é capaz de passar por qualquer proteção digital” revelou Bridi.

A história do Snowden chegou até mim porque eu já sou ‘velhinha’, tenho bastante experiência na área. Ele queria isso. Mas o grande jornalista não é feito só de matérias especiais, e sim de trabalho diário, perseverança com a pauta. A dedicação te leva até às grandes histórias. Eu acredito mais no suor do que na sorte

Jornalismo é jornalismo. Independente do meio, o profissional tem a mesma responsabilidade. Esqueça isso de que existe um meio bom ou ruim para trabalhar

Particularmente,  sou fascinada pelo caso Snowden. Foi um enorme prazer assisti Sonia Bridi e Ewen MacAskill contando todos os detalhes do caso. Valeu muito a pena!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Calendário de postagens

abril 2017
D S T Q Q S S
« mar    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30