Crítica Teatro Infantil: Camaleão e as Batatas Mágicas


 
Foto: Eduardo Martino

Foto: Eduardo Martino

Por Renato Mello

Cartaz original da montagem de1976

Cartaz original da montagem de 1976

É sempre uma fonte de prazer assistir qualquer espetáculo que se produza no palco d’ O Tablado por tudo que esse espaço físico abriga em nossa afetividade, com todo um universo de personagens criados por Maria Clara Machado que de alguma forma nos acompanharam em alguns momentos importantes de nossa formação como indivíduos.

Escrita e encenada originalmente em 1976, “Camaleão e as Batatas Mágicas” recebe agora uma nova montagem sob direção de Cacá Mourthé e Julia Stockler.

Não considero “Camaleão e as Batatas Mágicas” dentre os principais textos de Maria Clara Machado, penso inclusive que contém alguns espaços narrativos abertos, mas ainda assim são  nítidas algumas características indissociáveis de sua obra, principalmente pelo diálogo direto que alcança com seu público a partir de elementos bem fincados e dispostos de maneira simples. Conta a história de vovô Felício(Ronald Fucs) que inventa batatas capazes de crescer em terreno seco rapidamente, com o objetivo de acabar com a fome no mundo. Sua invenção desperta o interesse dos gananciosos Camaleão Alface(Fernando Caruso/Eduardo Rios) e seu assistente Shake Boçal(Fernando Melvin), que farão de tudo para roubar as batatas enquanto por sua parte Vovô Felício e seus netos Maneco(Rafael Saraiva) e Lúcia(Elisa Nunes), junto ao cão de estimação Gaspar(Igor Orlando), tentarão proteger as batatas mágicas.

Se traçarmos uma linha comparativa dentre os últimos espetáculos que assisti n’ O Tablado, como os excelentes “A Bruxinha que Era Boa” e “Tãotão”(texto de Pedro Kosovski), o resultado de “Camaleão e as Batatas Mágicas” é bom, mas um pouco abaixo das expectativas(tendo-se em conta que O Tablado é referência), embora ainda em patamar superior a considerável parte da produção infantil que tenho acompanhado pela cidade. Muito disso se deve justamente pelo fato de que este texto específico de Maria Clara Machado não encontra uma boa resolução para as propostas que dispõe, cujos buracos narrativos em parte são resolvidos pela eficiente direção de Cacá Mourthé e Julia Stockler. Um ponto positivo a se destacar na concepção de ambas diretoras é o modo como se apropriam de alguns artifícios, até um pouco esquecidos pelo teatro infantil atual, ressaltando à cena uma tonalidade ingênua que se contrapõe com uma “pretensa complexidade” imposta à vida das crianças contemporâneas. O que resulta dessa proposta são risos sinceros na utilização de vieses cômicos que são apresentados com uma sonoridade singela e tons lúdicos. Creio que é um resgate importante, ainda mais originário de um lugar que tem a rara capacidade de lançar ao vento seus sopros para influenciar todo um segmento teatral. A cenografia de Pedro Sayad e Tita Nunes contribui positivamente para a desenvoltura da dinâmica cênica desenhada pelas diretoras, que amoldam com coerência ao universo da autora e permitindo uma boa fluência das ações.

O elenco composto é composto por Fernando Caruso, Ronald Fucs, Fernando Melvin, Eduardo Rios, Elisa Nunes, Rafael Saraiva e Igor Orlando. O vilão Camaleão Alface é partilhado por Fernando Caruso e Eduardo Rios, sendo que no dia que assisti, o papel foi defendido por Caruso. O elenco se porta com correção, dentro de uma modulação equilibrada, em composições coerentes com a imposição do delineamento dramatúrgico, com um trabalho corporal mais acentuado por parte de Igor Orlando e com um destaque adicional para Fernando Caruso e Fernando Melvin, que formam uma dupla carismática, com bom jogo de cena e apropriando-se muito bem dos melhores momentos cômicos do espetáculo.

Camaleão e as Batatas Mágicas” é uma oportunidade de volvermos a penetrar no universo inesgotável da maior criadora do nosso teatro infantil, mesmo que não seja um dos seus textos mais inspirados, mas ainda assim uma obra de Maria Clara Machado, que por si só, tanto nos diz, tanto nos toca.

30710440_2091138907581103_424121801367355392_n

Ficha técnica:
Texto: Maria Clara Machado
Direção: Cacá Mourthé e Julia Stockler
Elenco: Fernando Caruso, Ronald Fucs, Fernando Melvin, Eduardo Rios, Elisa Nunes, Rafael Saraiva e Igor Orlando.
Cenografia, figurinos e adereços: Pedro Sayad e Tita Nunes
Iluminação: Gabriel Prieto e Rodrigo Belay
Trilha Sonora: Ronald Fucs e Antonio Nunes
Fotos: Eduardo Martino/ Zuppa Filmes
Arte Gráfica: Marcos de Moraes
Vídeo: Eduardo Chamon
Assessoria de imprensa: Leila Meirelles
Direção de produção: Carol Miranda
Realização: O Tablado

Serviço:
Peça: Camaleão e As Batatas Mágicas
Estreia: 21/22 de abril- Sábados e domingos 17 horas
Teatro: O Tablado- Av Lineu de Paula Machado, 795.
Telefone: 22947847
Ingressos: R$ 50,00 (inteira), R$25,00 (meia)
Duração: 50 minutos
Classificação indicativa: Livre


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Calendário de postagens

maio 2018
D S T Q Q S S
« abr    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031