Crítica: Três Entas


 

3entas1

Por Renato Mello.

O espetáculo teatral “Três Entas” volta a se apresentar em cena, desta vez tendo o palco do Teatro Fashion Mall para mais uma temporada que se estenderá até o dia 19 de abril em mais uma realização da Cerejeira Produções, que tem se notabilizado por uma presença constante nos palcos cariocas.

Com direção de Maurício Alves e Jô Salgado, o texto é uma adaptação do livro escrito pela própria , “Entas – Parece que Foi Ontem” e centra sua dramaturgia em 3 mulheres: Lucia(Alessandra Rodrigues), quarenta anos, casada, profissional liberal; Emilia(Gleby Goldbach), cinquenta anos, do lar, também casada; e Tereza(Carmen Costa), sessenta anos, viúva e avó. O que une essas 3 mulheres de gerações diferentes? Moram no mesmo condomínio, fazem aniversário no mesmo dia e além disso, estão inseguras, infelizes e em crise existencial e também sexual.

De maneira aparentemente despretensiosa e com muito humor “Três Entas” é um mergulho nas angústias do universo feminino para traçar um retrato da mulher contemporânea, independente se ela tem 40, 50 ou 60 anos. É justamente o caminho do humor que faz de “Três Entas” um espetáculo bem sucedido no seu propósito, com uma boa estrutura dramatúrgica, utilizando-se de diálogos deliciosos e muito bem escritos para atingir seu âmago existencial. É notório que existe um certo preconceito com peças teatrais que tentam abordar temas mais profundos utilizando-se da ferramenta do riso, o que é um erro de avaliação. Poucas coisas são tão eficazes quanto uma boa comédia para fazer refletir sobre certas questões, sem que caia necessariamente na amenidade ou superficialidade.

Três Entas” corre o risco ainda de ser rotulado como um espetáculo “mulherzinha”, como se apenas esse público fosse se identificar ou compreender a plenitude da angústia e desejos sexuais daquelas 3 personagens. Algo que considero errôneo, nada mais fascinante para um homem tentar entender o sentimento feminino.

Protagonizado por Alessandra Rodrigues, Gleby Goldbach e Carmen Costa, o elenco demonstra total domínio de cena, com um bom ritmo e sabendo aproveitar cada palavra para humanizar e aproximar seus personagens dos espectadores com suas amarguras e sofrimentos tão reais e cotidianos. Alessandra, Gleby e Carmen são puro carisma e despertam belas gargalhadas, interpretando seus personagens com bastante verdade e com um ótimo timing de comédia. Realizam uma permanente troca entre seus personagens, resultando numa atuação homogênea e complementar do trio de protagonistas.

 A direção de Maurício Alves e Jô Salgado é bem realizada, tanto na criação quanto na movimentação em cena, sabendo explorar do elenco os elementos necessários para que o espetáculo resulte em uma estrutura bem concebida no que se propõe: uma boa comédia. Assim como interessantes soluções dramatúrgicas foram utilizadas, como os diálogos das atrizes interagindo com seus respectivos maridos e filha(no caso de Tereza), através de projeção, o que exige uma sincronia e um necessário cuidado com a questão do ritmo(fundamental), mas nesse caso com um resultado final bem realizado.

tres entas 2

O cenário de Renato Marques é adequado dentro do proposto no universo do espetáculo, em que um sofá é o elemento base para a criação da ambientação entorno, ajudando a situar a localização da peça a partir dos demais objetos cenográficos, realçada pela competente iluminação de Rubia Vieira. Igualmente adequados os figurinos assinados por Vera Melo e Paulette Renault. Importante ressaltar o belo trabalho da trilha sonora de Emilio Carrera.

Para se aproveitar tudo que “Três Entas” tem a oferecer é importante estar de espírito desarmado para se divertir com os dilemas dessas três adoráveis mulheres, Alessandra, Gleby e Carmen: divertidas, engraçadas, sofridas…acima de tudo, tão humanas e tão próximas de nós.

Serviço
Teatro Fashion Mall
Até 19 abr 2015
sex e sáb 21:30 | dom 20:30
R$ 80.00
Tempo de Duração: 70 minutos
Classificação: Não recomendado para menores de 10 anos

Ficha Técnica:
COM ALESSANDRA RODRIGUES, CARMEN COSTA E GLEDY GOLDBACH
Direção: Mauricio Alves e Jô Salgado
Texto: Jô Salgado
Preparação Corporal: Clara da Costa
Trilha sonora: Emilio Carrera
Música tema “Espelho meu” de Ronaldo Salgado
Iluminação: Rubia Vieira
Cenografia: Renato Marques
Figurino: Vera Melo e Paulette Renault
Participações de Julia Morganti, Mauricio Alves e Ronaldo Salgado
Produção: Cerejeira Produções
www.cerejeiraproducoes.com.br


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Calendário de postagens

junho 2017
D S T Q Q S S
« maio    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930