Crítica: Um Nome Para Romeu e Julieta


 
© Anna Clara Carvalho

© Anna Clara Carvalho

 

Por Renato Mello.

Se apresentando numa curtíssima temporada que findará já no próximo fim de semana, “Um Nome Para Romeu e Julieta” traz ao palco da Caixa Cultural uma belíssima proposta teatral baseada na obra clássica de William Shakespeare e que ganha um tratamento particular na encenação de Dani Lossant.

A construção dramatúrgica de Dani Lossant, com colaboração de Diogo Liberano, possui um refinamento artístico que germina a partir de sua base narrativa potente, entrelaçando diálogos em versos e lapidando uma métrica que valoriza cada palavra posta em cena, acabando por contextualizar todo um desenvolvimento que se harmoniza com precisão na proposta cênica da diretora, que opta pelo vazio espacial, revestindo seu conteúdo progressivamente ao longo da representação a partir do eco produzido por cada palavra gravada ao piso pelos atores, numa contraposição em relação às récitas que se esvaem, estas revelam uma ascendência na forma exposta pelas caligrafias ou na sua mera significação, possibilitando a abertura de fronteiras  para expandir poesia e lirismo pela ambientação.

O desenho de cena de Dani Lossant, mais além de sua beleza estética, apresenta reinvenções e códigos que redimensionam a comunicabilidade da narrativa, como na ótima criação do baile na residência dos Capuleto ao som de funk, a engenhosa luta entre Mercúcio, Romeu e Teobaldo, e a cena de suicídio de Julieta. São construções de requinte artístico, mas acima de tudo, à serviço das necessidades dramatúrgicas e que tiveram importante colaboração da sensível iluminação de Daniela Sanchez, purificando a visibilidade da cena. A ocupação do espaço físico é bem compassada e notoriamente originária de um pensamento aprofundado em seus sentidos e motivações.

É necessário tecer elogios ao trabalho desempenhado por Nathália Mello ao processo cênico por seu trabalho na direção de movimentos, com relevância no alcance do resultado final.

© Anna Clara Carvalho

© Anna Clara Carvalho

Com exceção de Diogo Liberano(Romeu) e Carolina Ferman(Julieta), Andrêas Gatto, Daniel Chagas, Márcio Machado e Morena Cattoni revezam-se em diversos papeis, complementando  a rede de relacionamento e intrigas no entorno do casal central. Diogo Liberano e Carolina Ferman apresentam consistência numa composição particular do mais famoso casal de enamorados da dramaturgia universal. Carolina Ferman demonstrando desenvoltura com o instrumento corporal, consciência nos movimentos e exteriorizando na modulação correta toda a vasta densidade emocional que habita em seu personagem. Carolina se apresenta intensa e com uma excelente atuação. Diogo Liberano trabalha as sutilizas do texto, revelando interessantes aspectos de sua composição de Romeu.  Márcio Machado e Daniel Chagas são atores que eu já conhecia a grande capacidade e mais uma vez a demonstraram em atuações de bom nível. Morena Cattoni já admirava como diretora e pela primeira vez pude assisti-la representando. Um bom trabalho corporal e bastante domínio do espaço físico. Andrêas Gatto apresenta expressividade, boas composições e explora com profundidade as intenções de seus personagens.

Os figurinos de Luci Vilanova optam por cores neutras, mesclando contemporaneidade e alguns detalhes de época. Insere-se corretamente dentro da proposta dramatúrgica.

A montagem de “Um Nome Para Romeu e Julieta” deixa decantar pela sala de teatro uma experiência teatral altamente prazerosa e de grande capacidade artística. Lamento apenas a curtíssima duração de sua temporada.

 

© Anna Clara Carvalho

© Anna Clara Carvalho

Ficha Técnica:
um nome para romeu e julieta – a partir do original Romeu e Julieta, de William Shakespeare (tradução Onestaldo Pennafort)

Direção, adaptação e concepção espacial: Dani Lossant
Colaboração dramatúrgica: Diogo Liberano
Diretor assistente: Davi Palmeira
Direção de movimento: Nathália Mello
Preparação vocal: Verônica Machado

Elenco: Andrêas Gatto, Carolina Ferman, Daniel Chagas, Diogo Liberano, Márcio Machado e Morena Cattoni

Iluminação: Daniela Sanchez
Trilha original: Luciano Corrêa
Figurinos: Luci Vilanova
Design gráfico: André Coelho
Fotos: Anna Clara Carvalho
Assessoria de imprensa: Aquela que Divulga
Mídias sociais: Teo Pasquini
Direção de produção: Luísa Barros
Produção executiva: Alice Stepansky
Produtor associado: Diogo Liberano

Serviço:
um nome para romeu e julieta
Duração: 70 minutos
Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Teatro de Arena
Endereço: Avenida Almirante Barroso, 25 – Centro (Metrô: Estação Carioca)
Telefone: (21) 3980-3815
Data: 14 a 31 de julho de 2016 (quinta-feira a domingo)
Horário: 19h
Ingressos: R$20 (inteira) e R$10 (meia) Além dos casos previstos em lei, clientes CAIXA pagam meia.
Bilheteria: de terça-feira a domingo, das 10h às 20h
Classificação Indicativa: 12 anos
Acesso para pessoas com deficiência
Patrocínio: Caixa Econômica Federal e Governo Federal

Assessoria de Imprensa:
Lyvia Rodrigues – contato@aquelaquedivulga.com.br

Assessoria de Imprensa da CAIXA Cultural Rio de Janeiro (RJ)
(21) 3980-3096 / 4097
www.caixacultural.gov.br | @imprensaCAIXA


Palpites para este texto:

  1. Fiquei bastante impressionado com o trabalho de adaptação da diretora. Os artistas também foram escolhidos a dedo. Achei que no final, iriam apresentar a diretora!Fiquei curioso para conhecê-la.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Calendário de postagens

abril 2018
D S T Q Q S S
« mar    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930