Crítica: CT Boucherie


 

 

O CT Boucherie é um simpático bistrô responsável pela revalorização da região do Baixo Dias Ferreira, que era o patinho feio dessa rua responsável pela fama gastronômica do Leblon. Criado e concebido por Claude Troisgros, o CT Boucherie como o nome já diz, é especializado em carnes, com sua decoração estilizada representando um açougue, com salames, pernis, mortadelas fakes decorando um balcão. Na parede típicos ladrilhos meia barra, tudo nos remetendo a um açougue parisiense de um ano perdido na década de 40. Às 8 da noite de uma sexta-feira já havia fila na porta, assim ocorre permanentemente, até porque a casa é pequena, afinal é um bistrô.

foto tirada do meu celular

Na verdade tinha me programado para ir no Gonzalo,  comer uma parrilla uruguaia, mas ao ligar para a casa na Bartolomeu Mitre para fazer minha reserva recebi um balde de água fria ao ser informado que não havia mais lugar para o dia e nem no seguinte.

Éramos 3 pessoas. De entrada, pasteis de filet mignon e bruschettas(adoro a bruschetta do CT), além de 1 vinho argentino.  Quando vou ao CT, confesso que peço meus pratos pelo tamanho, pois as porções não são lá muito fartas, sabe como é, né? Gente fina come pouco. Uma vez pedi um filet chateubriand, paguei R$ 70,00 por um toquinho de carne. Tá certo que meu chateubriandzinho estava maravilhoso. Agora pedi um magret de pato, que sei que a porção é mais farta, com molho bordelaise. Adriana foi no escalopinho e meu sogro no Prime rib.

O CT trabalha com um rodízio de acompanhamentos, servidos em panelas rústicas e que rodam com eficiência pela ótima equipe do bistrô. Entre os acompanhamentos: ratatouille, purê batata baroa, chuchu gratinado, purê de maçã com maracujá, arroz de brócolis, legumes salteados na manteiga, etc. O meu pato veio num tamanho razoável e estava bom. Mas para a Adriana vieram 2 fatiotinhas de escalopinho, que me levaram até a dar risada e pensar no tamanho do lucro da casa ao cobrar R$ 56,00 por aquelas 2 lascas de carne. Eu teria saído morto de fome se tivesse pedido o escalopinho. Mas o Prime Rib do meu sogro estava generoso(fica a dica para mim numa próxima oportunidade).

Pena que ao invés de falar da qualidade da comida(que tem o digno padrão Claude Troisgros), eu tenha que ficar mais tempo falando do peso do prato.

De sobremesa pedimos a mousse de chocolate, que acho excepcional. Mousse é algo difícil de se acertar o ponto certo da consistência. A do CT é sempre perfeita.

Saldo da noite: R$ 416,00. Nessas horas a lembrança do meu pai sempre me vem à mente, medindo os restaurantes que frequentava pela equação custo X benefício. Ele com certeza sairia com mau humor e com a sensação de ter sido roubado.

Na saída observo a fila de espera, numa noite fria esperando a vez ao relento, aonde mulheres elegantes e emperiquitadas não tinham como não ouvir a música ao vivo que saía do Azeitona & Cia em frente atacando de  Jorge Vercillo: Paralisa com seu olhar/Monalisa…


Palpites para este texto:

  1. Nunca dei sorte no CT Boucherie. Acho a comida boa, mas nada de espetacular. Prefiro a Brasserie.

  2. Com certeza papai sairia falando mal e ainda nos proximos 10 anos continuaria lembrando desse fato e reclamando hahahah

  3. Gosto de “CT Boucherie”, (principalmente uma mesinha do lado de fora) embora ache caro. O sistema de rodízio, para nós aqui do sul, é inusitado. Aqui o rodízio é de carne, no “CT” é dos acompanhamentos. Quando não tem lugar (o que sempre acontece) e para não entrar em fila esperando em pé, pego uma mesinha no “Azeitona” e fico de olho. Quando libera a atendente me faz um sinal. Não funciona se o “Azeitona” também estiver lotado (rs.rs.rs.). Este mês estou indo ao Rio e vou lá dar uma ajudazinha para o Troisgros. Abrçs.

    • Tenho um amigo que também usa essa tática de fazer hora no Azeitona. Já vi os próprios atendentes do CT sugerirem. A casa é pequena e procura é enorme. Passo lá em qualquer hora e tem sempre fila. No jantar normalmente não pego fila porque chego cedo.

      O Claude me falou que está te aguardando hehehe

      Abração

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *