Eduardo Coutinho – Singela Homenagem


 

A maneira como ocorreu deixa-nos consternados e chocados com a morte de Eduardo Coutinho, talvez o mais brilhante e original documentarista da história do cinema brasileiro e certamente um melhores documentaristas do mundo. Uma perda irreparável para a cultura nacional.

Coutinho deixa uma obra em que a grande genialidade é que não contava grandes histórias, seu interesse estava nas pessoas comuns e ordinárias do dia a dia, com seus pequenos dramas, suas emoções, suas alegrias.

Figuras públicas não entrevisto – grandes médicos, grandes estadistas, filósofos, sendo de direita ou de esquerda, não interessa. Têm muito a perder. Essas pessoas anônimas têm menos a perder”,

Disse Coutinho durante sua participação na Flip.

Em 1964 parte para o Nordeste para rodar um projeto de ficção baseado em fatos reais, “Cabra Marcado Para Morrer”, aonde reconstitui o assassinato de João Pedro Teixeira, líder das ligas camponesas. Na proposta de Coutinho os próprios camponeses seriam os atores, algo típico dos anos 60, influenciados pelo Neo Realismo italiano e mesmo do Cinema Novo ou da filosofia do CPC. A própria viúva de João Pedro, Elizabeth Teixeira viveria na ficção ela própria. Depois de 2 semanas de filmagens estoura o Golpe Militar de 1964 e parte da equipe é presa e a outra parte foge. Dezessete anos depois, em 1981, Coutinho reencontra os negativos, escondidos da polícia por um membro da equipe. Localiza Elizabeth Teixeira no interior do Rio Grande do Norte, mostra as imagens das filmagens de 64 e filma seu depoimento sobre a dispersão de sua família após a interrupção do filme. A partir daí é criada uma “ficção em fatos reais”, o maior documentário, na minha opinião, da história do cinema brasileiro. Um filme obrigatório para quem ama  ou estuda cinema.

 

A carreira de Eduardo Coutinho sempre andou em conjunto com o vigor(ou a falta) do cinema brasileiro, aonde teve enormes dificuldades para desenvolver e viabilizar seus projetos. A partir de “Santo Forte”, sua produção deslancha. É o momento da denominada “retomada do cinema brasileiro” e cai nas graças de João Moreira Salles na Videofilmes, que acaba sendo o responsável por produzir e viabilizar seus projetos. A Partir daí Coutinho lança uma série maravilhosa de documentários, com estilo próprio e inigualável, criando uma assinatura única, aonde o público vai ao cinema para assistir um “documentário de Eduardo Coutinho”, independente do tema.

 Segue-se então “Babilônia 2000”, “Edifício Master”(uma obra-prima), “Peões”, “O Fim e o Princípio”, “Jogo de Cena”, “Moscou” e o último “As Canções”. Todos grandes filmes.

 

Edifício Master, amo esse filme e principalmente essa cena

Cruzei com Coutinho diversas vezes ao longo da vida, o que não era muito difícil, era alguém que estava sempre “por aí”, circulando e observando através de uma mesa do Café Severino, pelas calçadas de Copacabana, pelos restaurantes simples de Botafogo. Sua morte me choca não só pelas circunstâncias ou pela sua obra, mas por questões pessoais também, aonde agora me vem na cabeça meu colega de sala de aula dos tempos de Colégio Andrews, Pedro, filho de Coutinho, que está nesse exato momento em que escrevo, vivendo o momento mais difícil e trágico de sua vida.

Os filmes de Coutinho são para sempre.

Filmografia Completa:

  • 1966: O Pacto (episódio do longa ABC do Amor)
  • 1968: O Homem que Comprou o Mundo
  • 1970: Faustão
  • 1976: O Pistoleiro de Serra Talhada (média-metragem)
  • 1976: Seis Dias em Ouricuri (média-metragem)
  • 1978: Teodorico, o Imperador do Sertão (média-metragem)
  • 1979: Exu, uma Tragédia Sangrenta (curta-metragem)
  • 1980: Portinari, o Menino de Brodósqui(média-metragem)
  • 1984: Cabra Marcado Para Morrer
  • 1987: Santa Marta – Duas semanas no morro (média-metragem)
  • 1989: Volta Redonda, o Memorial da Greve (média-metragem)
  • 1989: O Jogo da Dívida (média-metragem)
  • 1991: O Fio da Memória
  • 1992: A Lei e a Vida (média-metragem)
  • 1993: Boca de Lixo (média-metragem)
  • 1994: Os Romeiros de Padre Cícero (média-metragem)
  • 1999: Santo Forte
  • 2000: Babilônia 2000
  • 2002: Edifício Master
  • 2004: Peões
  • 2005: O Fim e o Princípio
  • 2007: Jogo de Cena
  • 2009: Moscou
  • 2011: As Canções

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Calendário de postagens

julho 2017
D S T Q Q S S
« jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031