Em Cartaz: Solilóquio – Um Amor Sem Palavras


 

₢2014 Robson Pereira

Solilóquio, um Amor Sem Palavras no Teatro o Tablado em Maio.

Comédia romântica juvenil é assinada por Renata Amaral e tem direção de Zé Helou.

Haroldo, criado pela avó e três tias, só pode falar uma palavra por dia. Aos oito anos, ele se apaixona por Helena e decide economizar palavras para declarar seu amor. A comédia romântica “Solilóquio – Um Amor Sem Palavras”, escrita por Renata Amaral e dirigida por Zé Helou, é inspirada na peça “Humulus, o Mudo”, de Jean Anouilh e Jean Aurenche. Após uma curta temporada em 2014, a peça volta à cena no Teatro O Tablado, a partir de 2 de maio.

O espetáculo apresenta nove atores em cena que vivem diversos personagens. O protagonista é interpretado por dois atores, que dialogam para dar vida a Haroldo e representam sua trajetória entre 8 e 18 anos. O cenário é um grande quebra-cabeça onde as peças se encaixam, formando ambientes distintos e o figurino traz soluções criativas para facilitar as mudanças de cena.

₢2014 Robson Pereira

Haroldo é vítima de uma maldição: só pode pronunciar uma palavra por dia. A família zela para que o menino não quebre a regra, caso contrário, estão sujeitos a tragédias. Ele descobre, porém, que pode poupar sua cota diária e, movido pela descoberta do primeiro amor, decide ficar 30 dias mudo para então se declarar, usando 30 palavras.

Neste período, ele vive situações que o obrigam a falar, contudo, determinado, consegue vencê-las, mantendo seu silêncio, e escolhe o texto para sua declaração, com o auxílio de seu professor particular. No dia tão esperado, Haroldo se atrapalha e quando percebe restam apenas duas palavras. Ele então se concentra e diz: “te amo!”. Segundo o diretor, Zé Helou “a peça resgata uma ingenuidade perdida nos dias de hoje que envolve e emociona o público”.

SOBRE O DIRETOR

Zé Helou é ator, diretor e professor de teatro, formado em Artes Dramáticas. É Professor- Assistente no Teatro Tablado desde 2002. É professor de teatro no studio ValorArte. Como ator, atuou recentemente em “Peer Gynt, o imperador de Si mesmo”, com direção de Guida Vianna; “Uma Interdição Habita em Mim”, com direção de Helena Varvaki e nos infantis “O Patinho Feio” e “Os Cigarras e os Formigas”, ambos com direção de Fabiana Valor e Bernardo Jablonski, entre outros. Como diretor-assistente, trabalhou no infantil “Pluft, o fantasminha”, de Maria Clara Machado e direção de Cacá Mouthé; em “Queda Livre”, “Advocacia Segundo os Irmãos Marx”, “Triunfo Silencioso”, “Os Cigarras e os Formigas” (todos com direção da dupla Jablonski-Valor) e “A Falta que nos Move – ou todas as histórias são ficção”, com direção de Christiane Jatahy. Atualmente faz parte do júri do Prêmio Zilka Sallaberry de Teatro Infantil e desde 2013 é julgador do carnaval da série A/RJ, no quesito Comissão de Frente.

SOBRE A AUTORA

Renata Amaral é atriz, autora e professora de teatro. Administradora do teatro O Tablado entre os anos de 2010 e 2014. Faz teatro desde 1997 no teatro Tablado, onde também é professora assitente das professoras Bia Junqueira e Viviana Rocha. Seus últimos trabalhos como atriz foram “Os Cigarras e os Formigas”, de Maria Clara Machado, dirigido por Bernardo Jablonski e Fabiana Valor; “Aramis e Julia, uma historinha qualquer”, escrito e dirigido por André Dale; “A Menina e o Vento”, de Maria Clara Machado, dirigida por Cacá Mourthé; “Pluft, o Fantasminha”, de Maria Clara Machado, dirigido por Cacá Mourthé e “Delito”, curta-metragem escrito e dirigido por Luiza Trigo. Seus últimos trabalhos como assistente de direção foram “Mario e Adélia”, dirigido por Bernardo Jablonski; “West Side Story”, musical dirigido por Viviana Rocha; “A Quantas Separações uma Mulher é Capaz de Sobreviver”, de Renata Tobelem, dirigida por Guida Vianna. Seus últimos trabalhos como diretora foram “O Bravo Soldado Schweik”, de J. Hasek; “Bastava Dizer Eu te Amo”, websérie escrita por Hernane Cardoso. Seus últimos trabalhos como autora foram “Mario e Adélia”, adaptação de poemas de Mario Quintana e Adélia Prado; “As Quatro Estações”, infantil dirigido por Bia Junqueira; “Solilóquio, uma amor sem palavras”, dirigido por Zé Helou. Também trabalhou na produção de espetáculos como “O Cavalinho Azul”, de Maria Clara Machado, dirigida por Cacá Mourthé e “Z.É. Zenas Emprovisadas”, dirigido por Fernando Caruso.

₢2014 Robson Pereira

Fotos: Rob Pereira

FICHA TÉCNICA
Idealização e Direção Geral: Zé Helou
Texto: Renata Amaral
Supervisão de Dramaturgia: Felipe Barenco

Elenco: Beatriz Junqueira (Valentina, a avó); Juliano Antunes (Teodoro, professor / Criança que tira o esparadrapo/ Assaltante / Padre); Jonas de Sá (Haroldo); Kakau Berredo (Edgard, irmão / Pai de Helena); Laura Araujo (Tia 1 / Criança Má / Prostituta); Mariana Bassoul (Tia 3 / Mãe da Criança Má / Prostituta 3/ Mãe de Santo); Renata Amaral (Tia 2 / Bibliotecária / Prostituta 2); Rodrigo Miranda (Haroldo) e Viviana Rocha (Helena).

Direção de Movimento: Fabiana Valor
Direção Musical: Letícia Andrade e Gui Stutz
Cenário: Lilian Doyle
Figurinos: Preta Marques
Programação Visual: Andréa Batitucci
Iluminação: Monica Diniz
Redes Sociais: André Mizarela / HUMANS CREATIVE GROUP

SOLILÓQUIO – UM AMOR SEM PALAVRAS
Estreia 2 de maio, às 20h
Temporada: 2 a 24 de maio – sáb e dom às 20h
Local: Teatro O Tablado
Endereço: Avenida Lineu de Paula Machado, 795 – Lagoa
Telefone: (21) 2294-7847
Preços: R$30 (inteira) R$15 (meia-entrada)
Duração: 75 minutos
Lotação: 145 lugares
Classificação indicativa: 12 anos
Bilheteria: sábado e domingo a partir das 18h.
Espetáculo Acessível com Audiodescrição nos dias 9 e 23 de maio.

INFORMAÇÕES PARA IMPRENSA:
Astrolábio Comunicação
Bianca Senna – bianca@astrolabiocom.com.br


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Calendário de postagens

outubro 2017
D S T Q Q S S
« set    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031