Crítica: O Elixir do Amor


 

Por Renato Mello.

Transpor uma ópera clássica para o público infantil brasileiro. Esse foi o tamanho da ousadia da produtora Vanessa Dantas e do diretor Daniel Herz, num país sem a cultura musical apurada e que só  ouvir a palavra “ópera” pode causar uma certa rejeição. Mas quem teve a chance de assistir a montagem de “O Elixir do Amor”, em cartaz no Teatro Municipal do Jockey presenciou um dos mais arrebatadores espetáculos infantis dos últimos tempos.

Essa adaptação da obra homônima de Gaetano Donizetti situa-se nos pampas gaúchos em substituição da paisagem campesina italiana da ópera composta em 1832. A opção demonstrou ser uma bela sacada, utilizando uma referência mais próxima do nosso público e com algumas características que mantém espírito do libreto original e ao mesmo tempo mantém a fidelidade da alma gaúcha, com seu dialeto, vestuário e modos tão típicos.

Foto Dalton Valerio 2

Em “O Elixir do Amor” o vaqueiro Nemorino é apaixonado pela sua patroa Adina. Com o objetivo de fazer-lhe ciúmes, Adina decide se casar com o pretensioso Sargento Belcore. Desesperado, Nemorino recorre ao auxílio de um médico charlatão recém chegado à região, prometendo-lhe que ao tomar sua poção mágica, Adina cairá irremediavelmente de amores por ele. Ingênuo e crédulo, Nemorino não poupa esforços para obter os meios financeiros para adquirir o desejado elixir.

O resultado final do espetáculo é um trabalho o mais alto nível, seja no aspecto dramatúrgico, musical e artístico. Um dos principais motivos para o êxito da montagem é o trabalho de excelência que já vem sendo realizado há alguns anos por Vanessa Dantas, através da Marcatto Produções Artísticas, responsável por algumas das mais bem sucedidas apostas do teatro infantil nesses últimos anos, como “O Barbeiro de Ervilha” e “A Borralheira, uma Opereta Brasileira”, ambas amplamente indicadas aos principais prêmios do teatro infantil e se notabilizando por mesclar o erudito com o popular. “O Elixir do Amor” é fruto dessa linha evolutiva e da busca por uma identidade própria.

Sobre o trabalho que vem desenvolvendo no teatro infantil, Vanessa nos declarou:

 “Fazer teatro para crianças é de uma imensa responsabilidade. Eu trabalhei como atriz durante anos na Cia Atores de Laura e em um determinado momento senti necessidade de começar a escrever e produzir para as crianças. Abri minha empresa e resolvi me dedicar a elas. Sou uma estudiosa obsessiva. Procuro perceber o público em relação ao espetáculo, tanto de pais quanto de crianças, levo em consideração a opinião dos especialistas e estudiosos, enfim, procuro entender como a obra se deu para todos para poder aperfeiçoar meu trabalho. Amo muito o que faço e minha intenção é contribuir com arte para elas e também para os pais..”.

Foto Caique Cunha 6

 A presença de Daniel Herz na direção é outra razão para a qualidade do projeto. Confesso-me um grande admirador do seu trabalho, que só esse ano realizou espetáculos dos mais diferentes matizes, como o também infantil “Fonchito e a Lua”, a adaptação de um clássico como “A Importância de ser Perfeito” e o texto contemporâneo “A Hora Perigosa”. Assistir um espetáculo dirigido por Daniel Herz tornou-se uma obrigação para mim. Mais uma vez não decepcionou, na verdade até superou todas as minhas expectativas deixando-me fascinado por sua encenação. Uma direção de atores perfeita, deixando o elenco em cena com pleno domínio de suas ações, uma concepção e ambientação exemplares, desenvolvimento dramatúrgico e ocupação do palco eficientíssimos.

A adaptação do libreto feita por Vanessa Dantas e Josimar Carneiro é um trabalho de enorme sensibilidade. Se o universo operístico pode não palatável para o grande público, o desenvolvimento do texto e sua criação musical trazem para o palco um encantamento  que consegue fascinar tanto crianças quanto adultos, independente se tem algum tipo de conhecimento sobre o universo. O trabalho da dupla comprova o quão popular pode ser uma obra tida como erudita.

Foto Dalton Valerio 1

O elenco é formado por Kiko do Valle(Nemorino), Giulia Nadruz(Adina), Leonardo Miranda(Belcore), Marino Rocha(Doutor Dulcamara), Vanessa Dantas(Gianetta), Isabela Rescala(Serafina), Saulo Vignoli(Donizetti), Letícia Malvares(Gaetana), Roberto Bahal(Padre) e João Bouhid(Coroinha). A escolha do elenco é um grande acerto. O núcleo principal da estrutura dramática é interpretada pelos personagens de Kiko, Giulia, Leonardo, Marino e Vanessa, que sem exceção, fazem um trabalho acertado, repleto de carisma e talento, tanto nas atuações como nos números musicais. Mas é preciso dar um destaque especial para Giulia Nadruz, dona de um voz linda e encantadora. Marino Rocha com seu tipo bufão também desperta muita empatia, apesar da falha de caráter de seu personagem, fica impossível não admira-lo quando monopoliza a cena com grande presença.

A cenografia de Glauco Bernardi é de extrema beleza. Chama a atenção como ocupa com perfeição os espaços disponíveis, através de cenários perfeitamente adequados e de rara dimensão dentro do universo do teatro infantil. São fundamentais para a credibilidade da transposição da dramaturgia para o interior do Rio Grande do Sul. Os figurinos de Heloisa Figueiredo primam pelo bom gosto, visível qualidade e importante pesquisa de resgate da tradição gauchesca. A iluminação assinada por Aurélio de Simoni é de extrema competência e dá enorme realce tanto para a ambientação dramática quanto para os cenários.

A direção musical de Josimar Carneiro é um elemento a ser aplaudido de pé. Sua junção da ópera de Donizetti com o folclore gaúcho é de alto grau de dificuldade e risco, mas o resultado é perfeito. É necessário destacar a colaboração de Chiara Santoro, responsável por todos os cantores terem realizado um belo trabalho vocal, algo difícil de ocorrer até em recentes musicais bastante badalados.

O Elixir do Amor”, além de não subestimar a inteligência do público infantil, é sem a menor sombra de dúvidas uma das melhores peças infantis do ano e obriga a colocar uma lupa no trabalho realizado por Vanessa Dantas, nesse momento uma das mais importantes criadoras do teatro infantil brasileiro.

Poucas sensações são tão boas quanto sair de um teatro com o sentimento de ter visto um trabalho de enorme respeito pelo público infantil e de uma grande qualidade artística.

 Foto Caique Cunha 2

* Fotos de cena: Caique Cunha e Dalton Valério

O ELIXIR DO AMOR
Elenco
Kiko do Valle: Nemorino
Giulia Nadruz: Adina
Marino Rocha: Doutor Dulcamara
Leonardo Miranda: Belcore
Vanessa Dantas: Gianetta
Saulo Vignoli: Donizetti
Letícia Malvares: Gaetana
Isabela Rescala: Serafina

Da ópera de Gaetano Donizetti
Dramaturgia Original: Vanessa Dantas
Direção : Daniel Herz
Adaptação do Libreto (Texto e Letras): Vanessa Dantas e Josimar Carneiro
Direção Musical: Josimar Carneiro
Arranjos: Josimar Carneiro e Jayme Vignoli
Direção de Movimento: Marcia Rubin
Diretora Assistente: Clarissa Kahane
Diretor Musical Assistente: Jayme Vignoli
Idealização do Projeto: Vanessa Dantas e Daniel Herz
Cenografia, Objetos Cênicos, Bonecos e Adereços: Glauco Bernardi
Figurino, Adereços e Visagismo: Heloisa Frederico
Iluminação: Aurélio de Simoni
Preparadora Vocal: Chiara Santoro
Design de Som: Carlos Fuchs e Henrique Vilhena
Ensaiador: Roberto Bahal
Caracterização: Luiz Bellini

Tema adicional: “Minha Terra”: Vanessa Dantas e Josimar Carneiro
Assessoria Dramatúrgica de Sotaque Regional Gaúcho: Maria Carolina Ribeiro
Assessoria de Sotaque, Cultura e Tradição Gaúcha: Luiziane Fortes
Ilustrador / Arte Digital: Artur Rocha
Design Gráfico: Karin Palhano
Marketing Cultural: Gheu Tibério
Assistente de Marketing Cultural: Glória Dinniz
Assessoria de Imprensa: Daniela Cavalcanti
Assessoria Contábil: Cris Consult
Fotografia: Dalton Valério e Caique Cunha
Assistente de Direção Estagiária: Barbara Herz
Assistente de Figurinos e Adereços: Lili Teixeira e Anna Nodari
Pintura Cenográfica: Vandinho Beltrão
Equipe de Cenotécnica: André Brandão, Antônio Brandão, Cezinha, João Batista e Valter Rosa.
Contrarregras: Antônio Brandão, Tiago Amorim, Tarcio Fernandes
Costureira: Ritinha e Maria de Lourdes
Camareira: Lia Moreira e Marlene
Operador de Som: João Paulo Pereira
Microfonista: Fábio Campos
Operador de Luz: Felipe Medeiros
Administração e Produção: Verônica Prates
Produtores Executivos: Anádia Oliveira e Valério Lima
Produtoras Associadas: Vanessa Dantas e Verônica Prates
Realização: Marcatto Produções Artísticas

SERVIÇO

Local: Centro de Referência Cultura Infância / Teatro Municipal do Jockey
Temporada: 11 de outubro a 30 de novembro
sábados e domingos às 16h
Ingressos: R$ 20,00 ( inteira) R$ 10,00 ( meia)
Endereço: Rua Mário Ribeiro, 410 – ENTRADA DE AUTOMÓVEIS
Rua Bartolomeu Mitre, 1110 – Gávea – ENTRADA DE PEDESTRES
Informações: Tel ( 21) 3114 1286
Duração: 80 min
Indicação: Livre

Roberto Bahal: Trovador
João Bouhid: Trovador


Calendário de postagens

dezembro 2017
D S T Q Q S S
« nov    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31