Nostalgia: Qual é a Música?


 

Texto escrito por Renato Mello e compartilhado com o blog Baú da Adriana .

 Poucos programas na televisão brasileira foram tão kitsch, longevo, singular e alvo de intensas discussões nostálgicas nos dias atuais do que o inesquecível “Qual é a Música?”.

Apresentado pelo mais carismático dos apresentadores da televisão brasileira, Silvio Santos, o programa teve seu início em 1976 ainda na TV Globo, com Silvio o levando para a Record e posteriormente para a TVS(o embrião do SBT) e durante toda a década de 80 era atração obrigatória(mas não confessável) nas tardes de domingo. Todo mundo assistia, mas poucos admitiam, tal a fascinação por aquele enorme desafio musical, num cenário de gosto prá lá de duvidoso e brilhoso, composto por uma enorme orquestra, tendo ao fundo o pião do Baú da Felicidade.

A inconfundível voz de Lombardi anunciava: “o carnê de mercadorias do Baú da Felicidade, por 1 milhão de cruzeiros quer saber ‘Qual é a Música?’”, então adentrava ao palco o sorriso mais famoso do Brasil cantando com suas colegas de trabalho: “agora é hora de alegria/vamos sorrir e cantar/ porque da vida não se leva nada/vamos sorrir e cantar/ lálálálá lálálálá…

Silvio então anunciava o atual campeão, ali para defender seu atual título e um dia atingir a meta quase inatingível de destronar o grande campeão em número de vitórias Ronnie Von(25 vitórias), seguido de Silvio Brito, os dois principais ícones da história do programa. Nos anos 80, alguns artistas se notabilizaram por uma longa vida no programa: Marcelo, Gretchen, Harmony Cats, Nahim, Nico Rezende e nos últimos anos do programa Yahoo e Placa Luminosa. Aliás, a presença do Placa Luminosa era uma covardia, porque era um monte de integrantes disputando contra um solitário cantor. Depois era a vez do desafiante, que tentaria quebrar a sequência de vitórias do atual campeão. Nesse quesito, algumas figurinhas carimbadas estavam constantemente presentes, sem conseguir permanecer muitas semanas no ar: Trio Los Angeles, Gilliard, Sidney Magal, Agnaldo Timóteo, Grupo Bombom(quem lembra? Vamos a la playa, ôôôô…) e até o cantor Junno dava o ar de sua graça, recentemente desencavado do obscurantismo graças ao seu romance com Xuxa. Na época tudo já era bem bizarro, com os olhos de hoje então é divertidamente e maravilhosamente bizarro.

Se havia algumas figurinhas carimbadas entre os participantes, o mesmo podia ser dito em relação ao repertório do programa. Era raro o programa em que não se tocasse ou mencionasse músicas como “Solamente una Vez”(que nunca entendi o porquê dessa obsessão por ela), “Aparências”, “Jardineira”.

O programa era dividido em 4 blocos(alguns que foram substituídos, subtraídos ou adicionados ao longo dos anos), mas alguns permaneceram até o final dos tempos. Mas na verdade, havia uma manipulação por trás, porque mesmo que um determinado artista ganhasse as 3 primeiras provas, se perdesse a prova final(o “Leilão das Notas Musicais”), perderia assim mesmo o jogo.

Entre um quadro e outro, havia os famosos sorteios daquele “negócio da China” que o Silvio Santos administrava chamado Baú da Felicidade, aonde os “clientes do carnê” rodavam o pião para ganhar prêmios. Mas antes eles tinham, debaixo de um enorme suspense, com direito a 5ª sinfonia de Chopin, dizer se estavam “rigorosamente em dia com as obrigações do carnê do baú” para poderem participar das provas. Eu me perguntava sobre o que levava uma pessoa a viajar para São Paulo para chegar até ali para dizer com cara de infeliz que não estava em dia.

O jogo era levado, por vezes, tão a sério que há poucos anos atrás, o cantor Nahim abriu processo contra Silvio Santos porque acabou interrompida sua incrível série de vitórias(ameaçando se aproximar do recorde de Ronnie Von) porque por um erro da produção, acabou perdendo o jogo.

A primeira prova era o “Jogo dos Versos”. Em que os cantores Vera Lúcia, Ary Sanches  e Djalma Lúcio(com sua pinta de galã de Piracicaba) entoavam as canções e os desafiantes tinham que completar o verso. Lá iam eles: O jardineira por que estas tão triste/Mas o que foi que te aconteceu/Foi a Camélia que caiu do galho… para então um dos concorrentes completar: Deu dois suspiros e depois morreu .


Em seguida o “Jogo do Relógio Musical”, em que os músicos tinham 1 minuto para decifrar o maior número possível de músicas. Mas essa não era das provas mais interessantes.

No “Segredo Musical”, Silvio Santos dizia uma palavra e os cantores tinham que cantar uma música com aquela palavra, tentando adivinhar qual seria música correta. Às vezes aconteciam coisas como Silvio Santos pedir uma música com a palavra “garota” e lá ia o pobre oponente cantando “Garota de Ipanema” até achar a palavra pedida na canção e só quando a música terminava se dava conta que não existe a palavra garota na letra da eterna canção de Tom e Vinícius. Quando nenhum dos artistas acertava, era a chance do auditório tentar ganhar uns caraminguás tentando adivinhar a música correta, se espremendo e brigando pelo microfone. Aí era um festival de absurdos com canções que ninguém compreendia e Silvio Santos perguntando: “Tem essa música?”… E suas colegas de trabalho: “teeeeeem!!!”. “Então paga a ela”. Mas o melhor do quadro era sem dúvida, quando alguém acertava e Silvio Santos pedia: “- Pablo, qual é a música?” Entrava então em cena um dos seres mais estranhos, esquisitos e bizarros da história da televisão brasileira: Pablo. Pablo aparecia de costas, virava o rosto todo pintado de maneira estilizada, encarava a câmera com seus enormes olhos azuis e começava a dublar: Nunca vi rastro de cobra/Nem couro de lobisomem/Se correr o bicho pega/Se ficar o bicho come/Porque eu sou é home/Porque eu sou é home/Menino eu sou é home/Menino eu sou é home/E como sou!

Na “Vitrola Musical” os oponentes tinham que adivinhar quem era a voz apresentada. Sempre rolava aquelas vozes beeem das antigas, do tempo do ronca, tipo Carmélia Alves ou Francisco Alves. Quando ninguém sabia, o auditório tinha o direito de tentar adivinhar. As “colegas de trabalho” iam novamente ao microfone e chutavam os maiores absurdos.

Por último, a prova que realmente decidia o jogo: “O Leilão das Notas Musicais”. Silvio Santos dava a pista e em 7, 6, 5….por vezes com uma nota, os candidatos tinham que adivinhar “qual é a música?”. A pista normalmente era algo como: “música típica do Brasil, mais o nome do meio de transporte inventado por Santos Dumont, formam o título dessa música de Tom Jobim”, no que Nico Rezende cheio de convicção respondeu “Samba do 14 Bis”!!!! Às vezes a pista era simplesmente: “Essa música foi um grande sucesso de Noel Rosa”.  Em 5 ou 6 notas tinham que adivinhar através das notas dadas pelo piano do maestro Zezinho.

 

Assim terminava o “Qual é a Música?”, com Silvio Santos anunciando as pontuações de cada quadro ao lado dos sorridentes oponentes e entoando: “agora é hora de alegria/vamos sorrir e cantar/ porque da vida não se leva nada/vamos sorrir e cantar/ lálálálá lálálálá...” Era muito cafona, mas hoje chega a soar inocentemente delicioso.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Calendário de postagens

dezembro 2017
D S T Q Q S S
« nov    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31